Skip to main content

RAÍZES e LAÇOS

algumas famílias nordestinas
INÍCIO
FAMÍLIAS
PERSONAGENS
ENGENHOS
GENEALOGIA
SITES
FOTOS
QUEM SOU
CONTATO
OUTROS SITES

Vínculos para outros sites importantes de genealogia, onde estão registrados dados sobre nossos familiares. Como resssalva, assumimos responsabilidade apenas pelos sites que administramos e não temos nenhuma responsabilidade por outros sites, nem pela informação que publicam.

RAIZES E LAÇOS - Marroquim, Barros Carvalho, Costa Carvalho
Este é o site mais importante que mantenho sobre as famílias CORREIA DE ALMEIDA (Marroquim, Costa Carvalho) e BARROS CARVALHO. Sómente parentes e amigos podem visualizar toda a informação, depois de autorizados. Se você ainda não registrou seu nome, envie um email para Delano Carvalho, solicitando autorização. O site tem tres níves de acesso: Convidado, Colaborador e Editor. Os Convidados podem apenas visualizar a informação e incluir comentários, os Colaboradores podem também incluir fotos e videos, e os Editores podem incluir e modificar dados. A informação do site está sempre atualizada, mas se encontrar falhas, por favor me notifique. Já temos mais de 1,350 parentes registrados e mais de 1,300 fotos. Participe. A ávore registrada é Raízes e Laços - Marroquim - Barros Carvalho - Costa Carvalho, mas também inclui muitas outras famílias, interligadas a essas raízes.

 

Site original, onde comecei a organizar dados sobre minha família. Contém muitas fotos, em tamnaho normal, mas ultimamaente não está registrando as atulizações que faço. Creio que estão tentando forçar o registro da informação no site acima - Ancestry.com, pertencente à mesma empresa.


A partir de 10/01/2008 a árvore da família Barros Carvalho foi incluída à raiz de Arnau de Holanda, em Famílias Sertanejas, no site Genealogia Pernambucana. Digite qualquer nome na caixa de busca e quando aparecer o resultado, escolha a forma de visualizar: Gráfico dos Ancestrais, Gráfco 5 gerações, Ancestrais, Descendentes, etc. Agradecemos à administração do site e especialmente ao organizador Magno José de Sá Araújo, pela inclusão dos dados sobre a família Barros Carvalho.


PORTUGAL

Excelente fonte para pesquisas e comunicação com outras pessoas interessadas em genealogia. Já coloquei lá quase todos os dados que tenho da família Barros Carvalho e estou sempre atualizando a informação. Veja a página onde se encontra José de Carvalho e Albuquerque e vá clicando nos nomes que lhe interessam.
Não deixe de consultar o FORUM - Sala do Brasil.

Christovão de Ávila, descendente direto da Casa da Torre de Garcia D'Ávila, uma das mais importantes instituições do Brasil colonial, cuja origem remonta ao náufrago portugues Diogo Álvares, mais conhecido pelo nome que recebeu dos indígenas - CARAMURU - casado com a índia Tupinambá - Paraguaçu, a qual foi batizada na França como "Catherine du Brésil". Visite o site!

Em 2010 a Casa da Torre estará promovendo comemorações de 900 anos do Rei D. Afonso I de Portugal (Afonso Henriques), ancestral das famílias da Casa da Torre de Garcia D'Ávila. e também de Jerônimo de Albuquerque - o ADÃO PERNAMBUCANO, que em 2010

completará 500 anos de nascimento. Como CARAMURU, Jerônimo também casou com uma indígena - MUIRA-UBI, filha do cacique UBIRA-UBI (Arco-Verde), depois batisada como Maria do Espírito Santo Arcoverde.

FONTES PARA PESQUISAS
Todo o acervo que existia no Tribunal da Justiça de Pernambuco, no Palácio da Justiça, está sendo microfilmado pelos Mórmons. Transcrevo aqui, na íntegra uma matéria sobre o assunto, de Ana Paula Neiva, publicada no Diário de Pernambuco:

"O emaranhado de livros guardados nos cartórios de casamento da capital já demonstra a dificuldade de localizar um registro. Os Registros de casamento, inventários e testamentos a partir de 1859 estarão disponíveis no site do Tribunal de Justiça de Pernambuco à medida que o trabalho for concluído.

São mais de 240 volumes espalhados em três salas do terceiro andar do Edifício Santo Antônio, ao lado da sede do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), no centro do Recife. Registros antigos, esquecidos pelo tempo que, agora, serão catalogados graças a um convênio firmado entre o TJPE e a Genealogical Society Of Utah dos Estados Unidos, representada no Brasil pela Associação Brasileira da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Assim, os registros de casamento realizados entre os anos de 1859 e 1950 além de inventários e testamentos até o ano de 1908, guardados no Memorial de Justiça, serão digitalizados, formando a genealogia da população recifense. À medida que o trabalho for concluído, as informações estarão disponíveis no site do TJPE (www.tjpe.jus.br)."

Somente no 2º cartório há 109 livros, onde estão anotados cerca de 65 mil casamentos. Amarelados, os papéis já dão sinais do estrago provocado pelo tempo. Escritos à pena com tinta nanquim, os registros trazem anotações da união de algumas pessoas ilustres e outras desconhecidas. Muitas já faleceram. "Os livros são muitos procurados por familiares dos casais, que buscam cópias dos documentos", explica o presidente do TJPE, Jones Figueirêdo. No próximo ano, o tribunal deve estender o trabalho junto aos cartórios de outros municípios. "É importante resgatar não só a memória judiciária, mas a de toda a cidade através da formação de suas famílias", observa o presidente do TJPE.

Com o convênio, todo processo de digitalização realizado pela Sociedade Genealógica de Utah será gratuito. O que acarretará numa economia de R$ 2,4 milhões ao Poder Judiciário. "Além da economia, o trabalho é de extrema relevância ao serviço público, pois documentos antigos estavam passíveis de deterioração até mesmo pelo manuseio inadequado e sua manutenção gera despesas para a Justiça",ressalta o assessor especial da presidência do TJPE, juiz Jorge Américo.

Até setembro de 1999, os casamentos eram realizados dentro da sede do TJPE, no bairro de Santo Antônio, onde também, na época, os registros permaneciam guardados. Daí por diante, os cartórios que funcionavam no tribunal foram extintos e os registros passaram a ser feitos nos 15 cartórios de bairro. No entanto, o "arquivo morto" foi mantido no Edifício Santo Antônio. Nessa primeira fase, o convênio vai priorizar a digitalização das certidões mais antigas, registradas entre os anos de 1859 e 1950. O que representa mais da metade do total das certidões existentes no local. Em 2009, o trabalho deverá entrar na fase contemporânea até atingir o restante do acervo."

Fonte:

http://www.diariodepernambuco.com.br/2008/10/12/urbana1_0.asp

O Arquivo Geral do TJPE está localizado à Rua Santa Edwirges, 390, bairro do Prado, Recife, PE, fone/fax 3236.1963 ou 3236.0163. Está aberto a usuários e pesquisadores, das 11:30 às 17:30h, de segunda à sexta-feira.

Ocupa o prédio onde funcionou o galpão de estoques da Engefrio, com uma área construída de aproximadamente 5.000 m² e 3.700 m² de área para estacionamento pavimentado.

É provável que la se encontrem os inventários abaixo, os quais elucidariam muitas dúvidas sobre a origem da família Marroquim:

Sobrenome ALMEIDA:

Caixa 1 - 034 - Cartório: TJR - Ano: 1829

Primeiro Nome: Ana Correia de Almeida

Segundo Nome: Antônio José Marroquim

Sobrenome MARROQUIM:

Caixa 1 - 050 - Cartório: TJR - Ano: 1837

Primeiro Nome: Antônio José Marroquim

Segundo Nome: Herculano Antônio José Marroquim;


Caixa 1 - 050 - Cartório: VRS2 - Ano: 1922

Primeiro Nome: Herculano Alves Marroquim

Nome ainda desconhecido.

Sobrenome MAIA:


Caixa M117 - Cartório: COR1 - Ano: 1942

Primeiro Nome: Honorina Marroquim da Cunha Maia,

Viúva de José da Cunha Maia.

Nomes ainda desconhecidos.

Necessito da ajuda de parentes que se interessem em procurar esses documentos e extrair cópias para o acervo da nossa família.


PARA QUEM PESQUISA


Descobri pela internet que o Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais guarda cópia dos microfilmes de certidões de casamento e óbito dos cartórios de Pernambuco, Paraíba e Alagoas - inclusive de quase todos os bairros de Recife - a partir de 1880. Os microfilmes são os mesmos que foram feitos pela Igreja dos Mórmons. A coleção inclui também microfilmes de várias publicações dos tres estados, inclusive o Diário de Pernambuco e o Jornal do Commércio. Vale a pena conferir!

O projeto dos Mórmons abrange a microfilmagem dos assentos eclesiais em quase todos os estados brasileiros. Deixaram cópia de todo o trabalho feito em Pernambuco com a Arquidiocese de Recife - o problema é saber com quem, onde e porque a Igreja não põe o acervo à disposição do público.

Sei que o Governo de Pernambuco exigiu dos Mórmons uma copia do acervo e os dados estão accessíveis ao público, creio que na Casa da Cultura, ou proximidades.